terça-feira, abril 21, 2009

só que...

...ooops, esqueci de dizer! Sai em agosto no Japão, mas aqui no Brasil só em 2010. Mas vocês já imaginavam isso, com certeza. 

(na foto, entre mim e Donato no estúdio, feliz como ele só, nosso produtor Kazuo Yoshida)

Hoje em dia é difícil que uma gravadora se disponha a bancar integralmente um projeto. Quando isso acontece, há regras que precisam ser respeitadas. Uma delas, talvez a principal, é a de dar um bom período de exclusividade ao selo que bancou. Quando sai um projeto desses no Brasil, os exportadores caem em cima, e o CD chega de volta ao Japão a preços muito mais baixos do que o que foi fabricado lá, pois o custo da fabricação aqui é mais barato. Portanto, não se trata de injustiça, pelo contrário: é uma regra justa, para que quem de fato produziu não seja penalizado.

(detesto o uso da expressão "penalizado" neste sentido. Penalizado é quem tem pena, não quem sofre alguma consequencia. Mas a língua tem suas dinâmicas, e a gente acaba tendo de aceitar isso)

Na verdade, com as vendas online, isso muda muito, pois qualquer pessoa pode comprar qualquer coisa em qualquer lugar. Mas realmente sai mais em conta esperar o lançamento brasileiro, infinitamente mais barato do que mandar buscar e pagar taxas alfandegárias absurdas. É uma questão de paciencia _ e de sorte, pois muitas vezes acontece de o produto que se quer nunca vir a ser lançado aqui. Comigo já aconteceu demais...

Esses são os aspectos chatos da produção fonográfica, no fundo um business como qualquer outro. Pra nós músicos, o mais importante é a criação em si, e o resto é o resto. Mas não dá pra esquecer da outra ponta, o pessoal que compra porque ama essa música que fazemos. No meio dessa cadeia de produção ficam gravadoras, distribuidores, lojistas. A vida é assim mesmo, e cada um com sua função. Mas a música está... tinindo! Isso a gente garante.

6 Comments:

At 11:50 AM, Anonymous Gilliatt said...

O que será mnelhor? Pagar a conta do analista pra frear minha ansiedade ou comprar uma passagem pro Japão? rs

 
At 2:42 PM, Anonymous Janete de Andrade Lemos (jalgs) said...

sempre achei que cantar fosse uma das melhores "profissões" e é! Mesmo havendo contratempos como há pra tudo o que realizamos; dá para ver a constante alegria q há no olhar de vcs! Dá pra sentir gozo, na voz de quem canta com prazer no que faz....os isntrumentos concordam e dão mais vida às canções...e assim haja harmonia para explicar tudo isso.
Enquanto isso vou ouvindo e nunca canso!

 
At 12:31 AM, Blogger Renato Vieira said...

Geralmente quando vou a sebos, os japoneses que vem ao Brasil caçar raridades sempre são vistos pelos outros clientes como "esses japas aí que vem pegar aquilo que é nosso". Apesar de realmente serem nossos "concorrentes" quando se trata de discos raros, eu tiro o chapéu pra eles, pq estão permitindo que o ciclo da música continue. Como o Brazil não merece o Brasil, os japoneses estão dando fôlego a melhor música do mundo. É isso que vale.

 
At 8:36 PM, Blogger Bernardo Barroso Neto said...

Esse é um cd que vale a pena esperar. Imperdível!

 
At 1:13 PM, Blogger Cyntia said...

Eu já fiquei por muitos anos tristes com esses discos lançados fora, mas depois que as vendas começaram na internet eu vi que não era tão injusto assim. Posso dar como exemplo a última compra: o "Samba, Jazz & Outras Bossas" que me custou 50 e poucos reais... Mas levando em consideração o frete e tudo mais, não é assim tão caro, já que os preços dos cd´s aqui não são, assim... Quase de graça. É tudo uma questão de ser esperto, ficar de olho as cotações das moedas e preços dos sites. Além disso, é mais justo dar prestígio para uma gravadora que investe na nossa música, porque 2010 tá muito longe.....

 
At 7:33 PM, Anonymous Túlio said...

quanto a venda on line isto é muito relativo. por experiência própria eu sei que conseguir cds do eua é fácil, da europa já é mais difícil, japoneses é praticamente impossível (estou esperando o encontro marcado tem anos, e sei que não vai chegar).
eu bem sei o que já sofri esperando chegar discos seus que pedi para importar, mas quem ama a música feita com o coração e a mente, em oposição aquela feita com a bunda e a carteira, já está acostumado. pelo menos atualmente seus projetos todos tem saido no brasil, o que nos dá um refresco ao bolso.
quanto aos japoneses nos sebos, eu que sou rato de sebo, sei que o grande problema é que eles inflacionam os preços dos discos, os caras agora só querem vender as raridades a preço de ouro, assim não dá.

 

Postar um comentário

<< Home