domingo, dezembro 20, 2015

Retrospectiva 2015 (o ano que não acabará)

Pro Brasil e pro mundo, um tempo difícil, diferente, cheio de surpresas muito estranhas... Mas quero me apegar ao bom e ao bem que chegaram pra mim, ou enlouquecemos todos. Pensamento positivo, como nas terapias cognitivas se faz. Vamos nessa?

Por exemplo, não quero nunca, jamais, esquecer disto aqui:

http://www2.uol.com.br/ziriguidum/1512/joyce_moreno.htm

É um daqueles momentos que a gente guarda para os dias chuvosos da vida, que sempre vêm. Foi um momento importante pra minha música- e, ouso imaginar, talvez pro Brasil também. Pois nas horas em que o mundo olha pra gente com apreensão e desconfiança, alguma coisa boa a música brasileira sempre tem pra oferecer. Sei que a música que faço, e pela qual desde sempre me dispus a morrer, se necessário, não tem a mais mínima importância dentro do meu país. Qualquer garoto ou garota lançando uma banda numa novelinha teen terá maior significado midiático imediato do que aquilo que eu e outros apaixonados fazemos com tanto amor e empenho. E não, não estou reclamando, porque entendo que é assim mesmo. O Brasil merece o Brasil que tem. Este caminho que o país vem  seguindo é uma escolha. Dá pena do Brasil, sim, dá uma tristezinha ver o erro e o desperdício - mas é uma escolha, se é que vocês me entendem. Portanto, tudo certo, não tem discussão. Morre a música brasileira como morrem os rios, a Chapada Diamantina, as florestas, nossas riquezas. Mas foi o Brasil quem quis assim. Como dizia minha avó: sua alma, sua palma.

Em compensação, o mundo, que ainda não sabe disso, nos celebra.

(Sugiro, porém,  pelotão de fuzilamento para o próximo jovem repórter que me perguntar se tenho 'mágoa' ou se 'já superei' o fato de minha música ser mais reconhecida fora do que dentro do Brasil. Por que devo  'superar', ou 'ter mágoa', por coisa tão boa? Tenham paciência... O que me entristece não é nada disso. É ver até onde chegamos que dá vontade de chorar de pena do Brasil, como minha filha caçula chorou, aos 11 anos, em sua primeira viagem à Europa. Ela já estava pressentindo quantas lágrimas seriam derramadas no futuro.)

Na real, na vida profissional, tivemos: 1) a 3a temporada da série 'Pequenos Notáveis', ensinando para as crianças a música do Brasil, que pertence, ou deveria pertencer, a eles; 2) dois novos CDs gravados - 'Cool' e 'Poesia'; 3) turnê do CD anterior, 'Raiz', pela Europa, Estados Unidos, Canadá; 4) no Brasil, shows em SP, Rio e Bahia, e o concerto comemorativo dos 100 anos de amizade Brasil-Japão, na belíssima sala de concertos da Cidade das Artes; 5) no Japão, as comemorações pelos meus 30 anos tocando lá, direto; e finalmente, 6) a apoteose que foi o concerto com minha obra autoral na Berklee, e as gentis homenagens da cidade de Boston e do estado de Massachussets, que me ofereceram diplomas em "reconhecimento pela representação e divulgação da cultura brasileira" - o que equivale a me premiar pela propaganda enganosa que faço, de um Brasil que já não existe, mas que a música evoca.

Na vida pessoal, família com saúde, graças a Deus, e todos os netos passaram de ano.
Então meu ano foi muito bom, apesar dos percalços no Brasil e no mundo. E o de vocês?

4 Comments:

At 10:39 PM, Blogger Xica_da_Silva said...

Oi Joyce!

Estou muito feliz em saber que você vai visitar Phoenix, Arizona- onde eu moro! Que bom! O Museu de Instrumentos Musicais é um excelente museu e palco para apresentações. Parece que sua agenda é muito frenética, e você provavelmente vai querer descansar depois de um longo vôo. Por outro lado, se você tem uma energia inesgotável, e gostaria de ver as coisas turísticos em Phoenix, o Jardim Botânico do Deserto (Phoenix Desert Botanical Gardens) é bonito e interessante (Eu não sei se nós temos muitos diferentes tipos de cactos do Nordeste do Brasil?). Então, ele pode não ser tão interessante ... mas ainda bonita. . O Museu Heard também é interessante, e concentra-se em culturas indígenas (nativo americano). Seria bom se você pudesse ver o Grand Canyon e Sedona, mas esses são uma distância mais longe - talvez você tenha visto os já.

Vou tentar ver o seu show- mas viajo para o meu trabalho, por isso espero que o meu chefe vai me deixar trabalhar em casa essa semana! Se Deus quiser! Por favor, não hesite em me perguntar se dúvidas sobre Phoenix (boa comida, etc.)...feliz em ajudar!

PS. Eu gosto Delta airlines porque eles geralmente cuidar de instrumentos e eu acredito que eles são bem organizados do que United or American airlines. Minha violão sobreviveu muitos voos com Delta ao longo dos anos - pode continuar(knock on wood!) por todos que tocam! Boa viagem pra você! :)

Abraços,

Kristi

 
At 11:37 PM, Blogger Brinquedoteca Alecrim said...

Joyce, sou da Bahia. Terra do seu esposo. Te ouço ha pelo menos uns 20 anos. Sua sensibilidade, seu requinte, sua sofisticação, sua "voz de mulher" dentro das tuas canções, tudo isso fazem da sua obra uma coisa absoluta na MPB. Saiba que quando posso trabalho suas canções na sala de aula, e penso ser (uma tentativa) ou uma maneira de manter a chama da boa música acessa. Seu texto anuncia algo grave e que Mauricio Tapajós já tinha comentado há anos "O Brasil tá matando o Brazil" que pena e que lástima viver e perceber esta profecia, nao? Um grande abraço, muita luz e um 2016 de grandes realizações para vc e sua família inteira!

P.s: Este ano trabalharei Caymmi com as crianças de minha Casa de Brincar, mas em 2017 quero trabalhar um projeto de gênero e apresentar as mulheres da música brasileira. Vc, Chiquinha Gonzaga, Fátima Guedes, Rita Lee, dentre outras. É uma maneira de (tentarmos) tirar o Brasil da agonia, ou de pelo menos não morrer precocemente e junto com ela, concorda?

Muita luz, e um grande abraço!

Ana Carla Nunes

 
At 9:38 AM, Anonymous Aleksander / PL said...

Hello Joyce !

I've just got your latest "Cool" CD (imported by someone from Japan).
Although I've always rather preferred your traditional and rich way of making music, it seems that traditioal jazz standarts got a new shining light since now :-)
Simply next great CD near my stereo !
I also frequently enjoy other artists from your near-by (JD, MV, IL, and others).
May I ask you about your songbook ?

 
At 3:06 AM, Blogger Isadora Títto said...

Sim! é uma questão de escolha mesmo! o lado b disso tudo, pq este é um desastre e lutamos mesmo, diariamente pra neutralizar estes impactos... é que eu posso ler este seu blog, posso caminhar pelas ruas do Rio (qdo visito esta cidade) imaginando os bons ventos que te inspiraram, e poder te encontrar de forma mais direta por outras mídias e redes sociais. Sou cantora e atriz, gravei em uma demo, na minha primeira visita a um estudio o seu M. Binot. Admiro seu trabalho demais e sinto que hoje é necessário procurar suas próprias fontes o que nos torna mais independentes, sejam as de água ou de alimentos orgânicos, sejam as do teatro ou da música que são alimentos de nossa alma. Te agradeço demais por toda sua obra ja feita e a que está por vir... eternamente grávida, eternamente frutífera... Parabéns pelo reconhecimento e por momentos tão lindos como o que relatou neste post, que só li agora embalada pela delícia desse "Boiou". Sem Temer o que vejo por aí, pq tudo isso só da mais garra pra lutar e concretizar. Quero show em SAMPA! ;) <3

 

Postar um comentário

<< Home