sexta-feira, janeiro 04, 2008

Lady Victoria

Tem gente que é de gato, tem gente que é de cachorro. Tem gente que é de passarinho (eu adoro, e tenho vários que aparecem voando diante da minha janela, quando querem _ e só quando querem). Tem gente que é de coelho, como uma família amiga nossa que tem um coelho dentro do apartamento _ acredite quem quiser. Já estão no segundo.

Eu já fui de gato (cat people, como diz Carlos Lyra), tive alguns, hoje sou completamente de cachorro (dog people, claro). Perdi a conta de quantos passaram pela minha vida. Só sei que houve um tempo em que tudo o que era bicho abandonado vinha parar na minha porta, na nossa antiga casa do Jardim Botânico. Era um apartamento térreo, com algum espaço para essas coisas. Depois mudamos pra uma casa (essa sim, espaçosa) no Recreio, com quintal e canil. Tivemos muitos cachorros e um gato vira-lata chamado Gatón que morreu envenenado por uma vizinha, que não gostou de ele ter-lhe engravidado a gata cheia de pedigree.

Pois aí estou eu na foto com a Vicky, springer spaniel de 10 anos que veio pra nós em substituição `a Luna, minha grande amiga. Quando a Luna morreu (era uma mistura de lhasa apso com cocker, mal-humoradíssima, mas nós nos adorávamos) jurei que não teria mais cachorro em casa. Doce ilusão. Nossa filha mais nova pediu tanto que viesse outra, que acabou conseguindo.

Vicky cresceu achando que é gente, pois nossa filha deixava que dormisse na cama com ela, entre outros mimos mais. Agora, com sua verdadeira dona morando fora do Brasil, sobrou pra nós, é claro. Ficamos responsáveis por ela, ou vice-versa. Dog people total.

Cachorros são fiéis, desinteresseiros, apesar de `as vezes manhosos (Vicky é muito, e de vez em quando fica bastante enjoadinha). Mas amor incondicional, mesmo, de verdade, só tem dois: de mãe e de cachorro.

4 Comments:

At 11:18 PM, Blogger Luiz Antonio said...

Feliz 2008!
Quem te acompanha. mesmo longe, aqui no sul da ilha Brasil, sabe de tuas preferências... "a gata rita lee e o cachorro oscar (castro neves) e a tua fila hana (era esse o nome dela?) falaste dela pro Hermínio Belo de Carvalho num programa da tvcultura há uns 20 muitos anos atras - que eu tenho gravado em video - Curiosidade: No mesmo ano, eu de férias em plena Cinelândia, aí no Rio, me deparo com o Hermínio (aquela ovelha branca que ele tem na cabeça é - ou era, não sei se carecou! - inconfundível. você no programa, falou que ele era um gato angorá). Bom, eu não tive dúvidas: parei ele e disse: Hermínio! Eu quero que você me leve na casa da Joyce!. Obviamente ele desconversou. Coisa que a gente faz quando tem 20 e poucos anos...mas bem que eu queria que ele tivesse me levado.
Hoje aqui em Poa, calor, mulher e filhas na serra gaúcha e eu encerrando o trabalho e indo pra lá amanhã cedo.
Um branco gelado na taça, e - juro que não é puxassaquismo (será que é assim que se escreve isso?) de fã - o CD JOYCE dois em um - Agua e Luz e Feminina - me levando aos meus tempos de garoto natureba, muito acampamento,muito mato, cachoeira e paz.... O legal é saber que ele_o garoto_ ainda vive aqui no intimo desse quarentão. Aliás, esse bilhete não está quase uma carta de um "tiete tenn!" (E eu que nunca quis ser Spears!) Beijos
Luiz Antonio

 
At 12:03 AM, Blogger Luiz Antonio said...

um adendo ao meu post anterior:
AMOR DE PAI É INCONDICIONALISSÍMO TAMBÉM!!!!tudo bem que elas ainda não aparecerem com "principes aventureiros" aqui em casa_são muito crianças_ não sei como reagirei, não sei o que será de minha atual incondicionalidade... a tua resistiu?

 
At 6:40 AM, Blogger Pituco said...

Joyce,
em minha infância, tivemos um pequinês...o Bimbo(que em nihongô quer dizer:mendigo).

qdo nos mudamos da casa pra um apartamento,nosso Bimbo teve de ser entregue a uma outra família que mantinha vários da raça,numa casa com terreno enorme.

além de sofrermos com a separação,minha mãe teve de ser levada ao pronto-socorro,com febre e espasmos...família unida sofre unida...rs!

a partir desse dia, a matriarca baixou decreto:nunca mais animais em casa!

desde então,nunca transgredi essa determinação...claro que por preferência, sou mais 'cachorrão',no sentido bíblico!

abraçsonoros

 
At 1:16 AM, Blogger Pituco said...

Joyce,
ocorreu-me um fato interessante...

a semelhança entre o animal e seu dono...tanto física como comportamental, não é mesmo?

ou seja,
vc consegue identificar a personalidade de uma determinada pessoa pela análise de seu 'pet'...rs!

amplesonoros
namaste

 

Postar um comentário

<< Home