sexta-feira, dezembro 14, 2007

rádio-cabeça, a canção

Acho que deve ser pra compensar o mês e meio ausente. Mas chove sem parar no Rio e dá vontade de escrever, ainda que seja pra reproduzir coisas já escritas. Pois o post sobre a rádio-cabeça, que rendeu comentários variados, inclusive musicais (com nosso amigo Silvio D'Amico mandando as diversas versões do toque de celular da Nokia que moram na cabeça dele), acaba de render uma nova canção.

Com letra minha sobre um calango encapetado de meu parceiro Francis Hime, aqui vai a nossa versão para o assunto:

RÁDIO-CABEÇA

A rádio na cabeça toca sem querer
A música que mora dentro de você
O som descontrolado de qualquer canção
A música do momento ou de outra encarnação
A rádio na cabeça pode enlouquecer
Te acorda de madrugada e não quer nem saber
Invade impertinente a mente do freguês
Ou chega e se insinua um pouco a cada vez
Com sambas, calangos, tangos, bossas-novas, jazz
Com valsas, sinfonias e outros carnavais
A rádio na cabeça quer tocar sempre mais

A rádio na cabeça toca sem parar
A trilha do dia-a-dia pra te acompanhar
Esgota a paciencia de qualquer cristão
Mas pode também ser sonho ou alucinação
Te leva ao paraíso, ela promove a paz
Ou toca até se dizer que não se agüenta mais
As vezes manda um som que a gente nem pediu
A rádio na cabeça pode ser sutil
Tem mambos, rumbas, rocks, choros e forrós
Lentíssimos blues, bebops em versão veloz
A rádio é aleatória, como a vida é pra nós

5 Comments:

At 5:48 PM, Anonymous Túlio said...

oi joyce,
que bom que você voltou, estava sentindo falta dos seus posts e de responder à eles, tendo a ilusão de que você está na minha sala ou eu na sua, tendo uma agradável conversa sobre tudo e qualquer coisa que pintar, principalmente música.
já que você voltou ao assunto da rádio cabeça, eu também volto.
no comentário anterior, eu falei dos horrores que é ter o "sucesso da parada" contra a vontade na rádio cabeça.
agora vou falar de algo mais agradável, que é quando a rádio cabeça cria interpretações que não foram feitas e toca para nosso deleite.
explicando: qual de nós nunca imaginou este ou aquele cantor de que nós gostamos tanto cantando esta ou aquela música que também nós gostamos tanto, mas que eles nunca imaginaram gravar?
exemplificando: elis cantando nos bailes da vida do milton (que ela infelizmente pretendia mas não chegou a gravar)
ou você neste exato momento cantando nu com a minha música do caetano.
fico sempre imaginando o arranjo, a inflexão de voz, a maneira de cantar, as bossas que cada cantor ou cantora colocaria nestas canções, tornando elas suas.
fica aqui a pergunta do amador (no exato sentido da palavra) para a profissional da música.
Isto é loucura minha ou acontece com você também?
beijos

 
At 7:57 PM, Blogger Cristiane Figueirêdo said...

Nossa, muito legal ! E como eu vivi isso...
Nada é por acaso...
Um abraço a todos.

Crisss

 
At 2:39 PM, Blogger Bernardo Barroso Neto said...

Muito boa essa letra, retrata bem o que nós vivemos com nossas "rádios-cabeças".
Agora na minha rádio-cabeça já estou imaginando você cantando essa música. Sensacional!

 
At 4:23 PM, Blogger Luiz Antonio said...

A Joyce e outros músicos e poetas que lêem esse blog minhas desculpas, mas da minha rádio- cabeça, quando li o post saiu isso aqui:
"
radio-cabeça é um mp3 chipado
já vem implantado
não precisa ser plugado
mas nem tudo que ela toca
é som sagrado
pode ser até afrontação
na cabeça do cristão
É traquinagem do Criador
já sei,
quis dar uma de DJ!"

Luiz Antonio

 
At 9:50 PM, Anonymous Anônimo said...

bom comeco

 

Postar um comentário

<< Home