quinta-feira, fevereiro 21, 2008

intérpretes

Conheci Rosa Emília no final dos anos 80, quando ela esteve casada com meu parceiro Cacaso. Antonio Carlos de Brito, Cacaso na música e na poesia, era figura ímpar nos fabulosos anos 70, um dos poetas emblemáticos da 'geração mimeógrafo' ao lado de Ana Cristina César, Chacal e tantos outros. Na música, era parceiro de Edu Lobo, Sueli Costa, Toninho Horta e muitos mais. Além de tudo, figuraça: nessa noite, ele apareceu numa festa chiquérrima no Country Club (todos os homens de paletó), de jeans, chinelo de dedo (as havaianas ainda não estavam na moda) e uma linda baianinha ao seu lado, aparentando metade da idade dele _ era Rosa. Os dois se casaram e viveram felizes para quase sempre, até a morte dele aos 42 anos, por aí, de um infarto fulminante.

Rosa gravou alguns CDs. O primeiro eu conheci logo que saiu e gostei muito, vi nela uma voz promissora, com futuro pela frente. Depois da morte de Cacaso ela se mudou para a Itália, onde vive até hoje com as filhas, e continuou a carreira de cantora. Faz poucos dias me ligou, estava finalmente fazendo um projeto com as canções dele e convidando os parceiros para participar. Gravei com ela uma de nossas parcerias, 'Beira-Rio', e ela me deu de presente seu CD anterior, acho que feito em 2004, 'Baiana da Guanabara', onde ela canta o repertório de Nelson Angelo, outro parceiro constante.

Voltei para casa ouvindo o CD no som do carro. Esperava reencontrar a boa cantora do primeiro CD, mas pra minha surpresa não havia ali uma cantora boa _ havia uma cantora incrível, originalíssima. Adorei o trabalho dela, e fiquei pensando: hoje em dia, quando se sacudir o pé de cantoras no Brasil caem trezentas, como é difícil encontrar alguém diferente dos padrões. Salve Rosa, portanto! e todas as vozes interessantes do Brasil, que felizmente hão de sempre chegar.

4 Comments:

At 7:38 PM, Anonymous Clarice said...

Joyce,

Conheci Rosa Emília através do rádio. Ouvi aquela voz em "Ave de Arribação" e fiquei louca para descobrir quem era. Quando anunciaram, fui para internet procurar informações. No site dela, no google... Comprei on-line "Baiana da Guanabara". É repertório constante na minha vida. Acho que a voz dessa moça tem bastante personalidade e ao mesmo tempo leveza e afinação. Encantadora... Pena não fazer shows pelo Brasil. Pelo menos não por aqui, em BH.
Boa dica para quem não conhece. Seu garimpo musical só criva grandes quilates. Beijo!

 
At 6:35 PM, Blogger Rosa Emilia said...

Joyce querida!
Muito obrigada pelo carinho e pela delicadeza das suas palavras.
Receber um elogio assim, de uma cantora maravilhosa como voce, eh tudo de bom!!!
Adorei seu blog! Vou visitar mais vezes! Beijo na familia.
Rosa Emilia

 
At 10:06 PM, Blogger Luiz Antonio said...

Imagina se eu não ia dar o meu "pitaco"! Há tempos aprendi que "vozes lindas" não são sinônimo de boa música. De lindas vozes o Brasil tá cheio, assim como o inferno está de boas intenções! Tem que saber o que cantar e como cantar. De nada adianta a voz de cristal, cada nota no seu lugar e seu tempo, pra mim isso é apenas a boa técnica vocal. Repertório surpreendente, músicos, arranjos, sutilezas e a voz nem precisa ser tão "grande" porque nessa conjunção "a alma não (foi) pequena".
Cantar Cacaso,Nelson Ângelo e outros da turma, do clube, é um desafio. Vou atrás de saber quem é essa Rosa (sem nenhum desprezo nesse "quem é" _é por desconhecer totalmente mesmo_ no mínimo é a mulher do Cacaso!) e espero me surpreender também. A última vez que ouvi um disco dedicado aos mineiros, mais especificamente do Clube da Esquina, me decepcionei porque colocaram as músicas em formato "recital de piano e voz perfeita" e o resultado _pra mim_ foi que a emoção, o pó da estrada, o jeans surrado, o "Audaz", a fumaça verde se perderam. Aconteceu mais ou menos o que você descreveu sobre a festa no Country: vestiram smoking em canções que só tem alma se estiverem de jeans, havaianas e uma voz que pode até ser meio "voz-inha" _para muitos críticos_mas que ao invéz de "estilhaçarem cristais" de tão perfeitas, cortam que nem punhal um coração.
Bom final de semana
Beijos
Luiz Antonio

 
At 12:02 PM, Anonymous Anônimo said...

VIVA JOYCE, VIVA NELSON ANGELO, VIVA NANA .....VIVA A TRIBO. Estava ouvindo algumas gravações d`A Tribo. Sensacional. A gração de Bachiannas n 5 é uma das melhores que ouvi na voz de uma cantora popular.

 

Postar um comentário

<< Home