domingo, março 09, 2008

Omara-me, Bethania-me, Havana-me

E eis que aí estou eu, na noite de ontem, deslavadamente tietando Omara Portuondo nos bastidores do show que ela divide com Bethania no Canecão. Mas não era pra menos. As duas cantam no show um bolero que fiz com meu parceiro Paulo César Pinheiro, chamado 'Havana-me'. Ter músicas cantadas por Bethania sempre foi uma alegria e uma honra pra mim. Mas com Omara, passou dos limites, especialmente por ter sido esta canção em particular.

Quando estive em Cuba pela primeira vez, em 1985, eu estava num momento particularmente raro. Depois de muitos anos sem sair do Brasil, recebi três convites para lugares 'exóticos', onde eu nunca estivera antes: Moscou, Havana e Tóquio. A viagem ao Japão seria a primeira de muitas e o começo de uma relação estável de trabalho _ mas eu ainda não sabia disso quando fui a Cuba para participar de um evento político sobre a dívida externa latino-americana. O que pra mim não passava de um pretexto para realizar o sonho adolescente de conhecer Cuba e ouvir ao vivo a música que durante anos me apaixonara. Ou seja: as magníficas orquestras cubanas, a rumba, o bolero, e por extensão, artistas como Omara.

Comprei um LP dela nesta primeira viagem e muitos outros também, de Bola de Nieve, Los Van Van, Pedro Luis Ferrer, Silvio Rodriguez, Pablo Milanés e muitos mais. E na minha primeira noite em solo cubano, olhando o mar do Caribe pela janela do quarto que eu dividia com minha amiga Clara Sandroni no Hotel Tritón, peguei o violão _ e o bolero nasceu com estas palavras: havaname, cubaname, serename, assim em espanhol mesmo. Depois, já no Brasil, Paulinho Pinheiro desenvolveu este mote, e eu gravei este bolero no meu disco 'Ilha Brasil'.

Há pouco tempo atrás, Bethania pediu a Paulinho uma canção para compor o espetáculo dela com Omara, e ele se lembrou do nosso bolero. Dito e feito, e além do mais ele escreveu versos adicionais onde elas completam: 'bethania-me', 'omara-me', 'baiana-me'. Mão na luva, perfeito. Diretamente do produtor ao inspirador.

8 Comments:

At 10:18 PM, Blogger Luiz Antonio said...

Havana-me é a minha música preferida do Ilha Brasil. Cuba um sonho de viagem a se realizar um dia. Omara Portuondo, Ibrahim Ferrer e todo o Buena Vista uma paixão que trago diariamente no cd do meu carro e _um dos poucos_ DVDS que eu consigo "parar" para assitir varias vezes, trato ele como um cd. Essa Velha Guarda da música Cubana, que estava esquecida na Ilha foi reunida novamente pelo R.Cooder no cd que conquistou o mundo. Achei !10! a história de como tudo aconteceu: Músicos já aposentados, que quase nem tocavam mais. Foi como um resgate não só musical, mas resgate de vidas e de auto-estima de cada um deles. Uma história que se encaminhava para um final triste e que, de repente, graças a sensibilidade de um músico e também do cineasta Wim Wenders permitiu que esses "velhinhos" cheios de Bossa reconstruisem seu final de história com um Final Feliz(e quem disse que foi final? Um novo recomeço! pena que alguns, desde então, já se foram). Grande Omara! Taí, Joyce! Mais algo em comum! Havana-me!!!!

 
At 1:42 AM, Anonymous Érico San Juan said...

Oi, Joyce, tudo bem? Descobri seu blog no início desta segunda semana de março. Eu nunca consegui achar seu livro "Forografei você na minha Rolleyflex", mas acompanhava, via net, suas crônicas no jornal O Dia. Comecei a ouvir seus discos começando pelo Astronauta, Canções de Elis. Que maravilha ver um ser humano de carne, osso e música nas teclas do computador, via blog! Obrigado, um abraço.

 
At 3:49 AM, Blogger PedroPeter said...

Joyce não sabia que vocÊ tinha um blog!
Genial
sou seu fã desde criança, culpa do meu pai e da sexy silvia... Cresci te ouvindo (entre outras bossas).
Adoro seu violão e suas canções.
O Bossa duets é um dos que eu mais tenho ouvido, quero ir no teatro Fecap ver teu show, se o cursinho deixar, vou sem dúvida!

Não me conformo você fazer tanta coisa no Japão e uma ou outra aparição aqui no Brasil.
adoro o Tutty também, ele é massa, fez u mdos meus discos favoritos de Caê ever!
agora com licença queeu quero ler o blog...
=)
abraços!

 
At 3:33 PM, Blogger Luiz Antonio said...

só entre nós: como tá difícil surpreender, te pegar pela emoção hoje em dia. nem com a Omara esse cd da Bethania conseguiu me pescar.
"ai, aí, meu Deus... o que foi que aconteceu com a música...."

 
At 12:59 AM, Blogger PedroPeter said...

Joyce...
Voltei pra dizer que adorei seu texto. O design do blog também está ótimo. E quando seu disco sairaqui eu compro viu!?
Adoro seus discos pela BF, especialmente pelas capas, acho muito legais.
*
E também que ontem eu tava ouvindo o samba do Joyce, como eu acho genial essa canção.
*
Ah!
muita coisa... Adorando tudo!

 
At 9:21 PM, Blogger odimar said...

Nossa, dizem que essa música é um dos momentos melhores do show, que eu espero muito que venha a se tornar DVD.
Parabéns Joyce, vc sempre faz discos muito bons, mas em "Ilha Brasil" vc estava particularmente inspirada. É todo muito bom. Sucesso sempre!!!

 
At 9:48 AM, Blogger Edas said...

Joyce - Havana-me ...muito linda a música...pena que é impossivel ouvir no rádio na tv....e no seu DVD..mas quem sabe na próximo.parabéns CANTORA.


P.S. Pelo menos não ser tão popular no Brasil tem uma vantagem: Não será regravada pelas duplas breganejas.

 
At 8:16 PM, Blogger Fernanda said...

JOyce! A versão que fizestes com o Paulinho está simplesmente magnífica! Parabéns! Consiguistes traduzir numa música toda a preciosidade do encontro de Bethania com Omara! Sem dúvida alguma é o momento mais emocionante do show!

 

Postar um comentário

<< Home