sexta-feira, maio 23, 2008

queridos instrumentistas

Sei que a vida de vocês não é fácil. São anos e anos de estudo, sempre em busca do melhor som, trabalhando por amor `a arte, sem a menor garantia de uma vida digna. Muitas vezes tocando com grandes estrelas que não têm musicalidade nenhuma, ou tendo de aturar palpites de produtores despreparados. Outras tantas vezes sendo enrolados em tenebrosas transações. É tudo verdade. O Tom mesmo já dizia que a saída para a música brasileira era o Galeão (que hoje, ironia do destino, chama-se justamente Tom Jobim). Nem é mais, enquanto perdurar a situação que relatei no último post (parece que algumas companhias aéreas já estão revendo isso). Mas preciso ter uma conversa muito franca com vocês.

Perdoem a pressa, é a alma dos nossos negócios, e estou saindo daqui a pouco para Londres, onde estaremos fazendo um concerto comemorativo dos 50 anos da bossa nova no Barbican Hall. O Barbican, vocês sabem, é aquela sala de concertos de 2000 lugares, onde se apresenta a Royal Symphony Orchestra e onde muitos eventos de jazz e world music também acontecem, pois os londrinos são curiosos e querem saber de tudo o que há de novo na música do mundo. Confesso que sou a culpada, pois fui eu que, na minha santa ingenuidade, fui falar com a direção artística da casa e consegui convencê-los de que a bossa nova era importante e valia um evento deste porte. E assim foi que, sem nenhum tipo de patrocínio, sem lei Rouanet, sem ajuda do governo brasileiro, nem de ninguém que não fossemos nós mesmos, estaremos seguindo hoje `a noite, uma caravana rolidei de 17 pessoas, com expoentes da bossa de três gerações, para um show que acontece nesta segunda, dia 26. E que já está com os ingressos esgotados.

Uma noite pra ficar na história, é o que todos acreditamos. E no entanto, não será possível o registro disso. Por quê? Se houve um produtor interessado que se dispôs a levar uma equipe para Londres; se o Barbican, por um preço nem tão alto assim, permitiu que fosse gravado um DVD do concerto; se todos os artistas toparam a percentagem oferecida... No entanto, queridos instrumentistas, foram alguns de vocês que botaram areia no feijão e não autorizaram esta gravação. Não, não estou lhes tirando a razão. Essa negociação deveria ter sido feita com maior antecedencia, é certo, para que houvesse mais tempo para marchas e contramarchas. Mas ainda assim...

Por essas e outras é que os oitenta anos de Radamés Gnatalli (e a última vez em que o quinteto dele tocou junto) deixaram de ser registrados. O belíssimo show de 50 anos de carreira de Elizeth Cardoso, do qual tive a honra de participar, nos longínquos anos 80, também. 'O Samba é Minha Nobreza', deslumbrante espetáculo dirigido e criado há uns 5 ou 6 anos por Herminio Bello de Carvalho, que levou crianças das escolas municipais do Rio ao teatro para aprender da fonte a história do samba, também não teve registro.

Por desconfiança, por achar que estão sempre sendo tapeados nas negociações, alguns de vocês, queridos instrumentistas, botam a perder as oportunidades, já tão pouquinhas, de deixarmos para o futuro as imagens do que fazemos hoje. Pensem nisso da próxima vez, em nome dos filhos e netos de vocês, que algum dia vão querer saber como era a música brasileira que o vovô tocava, quando ela ainda existia.

4 Comments:

At 6:52 AM, Blogger Vicky said...

Pois eh, queria ir e nao consegui mais ingresso... Vai ter que ficar na minha imaginacao somente.

 
At 7:43 AM, Blogger O blog do Iran said...

Joyce,
Apesar de concordar com vc porque todos nos perdemos muito com isso,
nao tiro a razao dos musicos.
Enquanto os artistas fazem com um show a grana para ficar tranquilos por um mes ou dois, as vezes ate mais, os musicos tem que fazer multiplas gigs e se submeter a qualquer situacao ate inauguracao de bica d'agua para garantir o aluguel.
Como vc mesmo falou no post, o combinado nao é caro, se a producao tivesse combinado com antecedencia o registro do show, tanto o audio como o video, garanto que nao teria sido problema...
Porem... Em cima da hora querer gravar, filmar etc e tal e oferecer uma mariola e um cigarro Yolanda... Como geralmente é proposto para a classe...

 
At 1:00 AM, Blogger Ricardo Vidal said...

Cara Joyce, primeiramente, felicito pelo show que fará em Londres, onde o melhor da nossa música brasileira será escutada pelos nossos melhores representantes.

Contudo, como fã, não deixo de ficar preocupado pelo teor desta última mensagem, quando você fala que este show não será gravado. Será que mais um show antólogico viverá apenas nos relatos escritos e na memória de quem assistiu? Será que as pessoas que não podem está lá em Londres não poderão ter o gostinho de ouvir e ver um pouco disso - ironicamente na era da internet de banda larga, TV digital, do DVD e CDs?

Eu entendo e em parte concodo com o que Iran falou, quando lembra que a vida de músico (como de qualquer artista em geral) no Brasil não é fácil. Porém, pergunto-me (como jovem escritor, bisneto de maestro e compositor, sobrinho de poeta e primo de desenhistas e pintores): não poderia haver um pouco daquele amor a arte? Sei que vivemos numa socidade capitalista e que, no frigir dos ovos, todos nós temos contas para pagar, precisamos garantir nosso ganha-pão e o leite dos meninos. Infelizmente não podemos viver apenas comendo literatura e bebendo música. E várias vezes, ao artista, é dado mostrar a arte e apenas como recompensar comer junto com os criados (Platão não queria expulsar os poetas de sua República utópica de filósofos?).

Todavia, não poderia haver um pouco de esforço do instrumentistas, conversar com mais antecedência sobre os direitos, vencer um pouco a desconfiança e permitir o registro de eventos como esses??? Até para que isso não se torne igual as interpretações de Sarah Bernhardt quando jovem, do qual só ficou a lenda? Como você mesmo lembrou, como os netos e bisnetos de muitos músicos de hoje saberam como eles tocaram? E isso é triste, pois sinto na pele o que não ter nada gravado do meu bisavô, exceto uma foto e um pouco do ADN para apreciar música...

Com todo carinho deste fã

 
At 9:47 PM, Anonymous Anônimo said...

Joyce
Le escribo para felicitarle por su Arte. Me gusta muchisimo su voz y estilo.
Me encanto su disco Rio-Bahia, sobre todo las colaboraciones con Dori Caymmi. Tambien me parecio ENORME su version de "Brigas nunca mais", que no le tiene nada que envidiar a la de Elis.
Para acabar, me gustaria felicitarle por el tema "E era Copacabana", me parece SUBLIME. Ignoraba que fuera suyo, es una delicia total.
Nada mas, siga cantando que la gente se lo agradecerá bastante.
Un saludo desde España, de el Chino

 

Postar um comentário

<< Home