domingo, maio 20, 2012

Tenório Jr. e a Comissão da Verdade


Este é nosso amigo querido, Tenório Jr., maravilhoso pianista, um dos maiores do samba-jazz - na verdade, um dos pioneiros deste estilo.

Além de grande instrumentista, era também compositor de grandes temas, como 'Embalo' - que eu e Tutty gravamos em nosso CD juntos, 'Samba-Jazz & Outras Bossas' - e muitos outros, além de vários temas que ficaram inéditos depois de sua morte, aos 35.

(vejam a capa do disco abaixo, o único LP que ele lançou na vida, hoje um clássico várias vezes reeditado pelo mundo)


Tenório tinha uma inteligência impressionante, aquele humor ácido dos muito observadores, musicalidade à flor da pele. Tinha também 5 filhos e algumas compulsões, das quais, a longo prazo, precisaria se libertar. Mas não houve tempo.
Como todo o mundo sabe - e se não sabe, precisa saber - Tenório desapareceu em Buenos Aires, na madrugada de 18 de março de 1976, depois de ter se apresentado num show com Vinicius de Moraes e Toquinho. Eram as vésperas do golpe militar que deporia a presidente Isabelita Perón e jogaria o país numa longa noite ditatorial. Nosso amigo saiu do hotel para comprar cigarros, ou um sanduíche, ou um remédio - as versões são conflitantes - e nunca mais voltou. Tempos depois, o depoimento de um ex-oficial argentino que participara da repressão dava conta de que Tenório fora confundido com alguém que estava sendo caçado, numa espécie de operação pente-fino, pré-golpe. E morreu na tortura, cerca de 10 dias depois. Ele, que de política não sabia nada, nem queria saber. O ser mais apolítico que já conheci na vida, totalmente inofensivo, que só pensava e vivia para a música, foi preso, torturado e morto como se fosse um perigoso subversivo. O que, ainda que fosse, não justificaria o que ele passou.

Sua odisséia serviu como inspiração para o filme 'Os Desafinados', de Walter Lima Jr, com Rodrigo Santoro fazendo um Tenório de dar aflição a quem o conheceu (no filme, o personagem tem outro nome). É a mediunidade a serviço da arte, só pode ser, pois não existem registros visuais de nosso amigo falando, andando ou mesmo tocando, que expliquem uma composição tão precisa do ator.

Há também outra produção em andamento, do espanhol Fernando Trueba, sobre a mesma história. Trueba esteve aqui em casa e na casa de outros amigos que conheceram e conviveram com 'Seu Antenas' (apelido pelo qual eu o chamava, já que ele era uma antena ambulante para tudo o que era som), para ouvir depoimentos sobre ele. Eu estive com Tenório poucos dias antes do acontecido, pois estava na mesma turnê, da qual saí em Montevidéu, enquanto eles seguiam para Buenos Aires. Acompanhei o desespero de Vinicius, da família (o quinto filho ainda na barriga da mãe) e de toda a classe musical carioca naquele momento. Ninguém sabia o que fazer, a embaixada brasileira não podia ajudar, foi totalmente o caos. Até que o oficial argentino, numa entrevista, contasse o que realmente aconteceu. É  uma página infeliz da nossa história que merece mesmo um documentário, como este que Trueba está há anos preparando e que agora, dizem, pode ser feito em formato de animação.

Falo tudo isso porque tenho esperança de que o caso Tenório venha a ser investigado na Comissão da Verdade, que recém foi inaugurada. Sei que muitos outros casos estarão esperando - e dentre eles, alguns de gente que conheci e por quem tive diferentes afetos: meu parente Aloisio Palhano; a família Angel Jones (Stuart, Sonia e Zuzu); Ana Maria Nacinovic, minha colega de escola; e tantos outros mais. Mas embora o sequestro, prisão e morte de Tenório tenham se dado na Argentina, houve uma conivência do Brasil, no sentido de 'desaparecer' com aquele inocente que, ao sair da cadeia onde fora parar por acaso, poderia dar com a língua nos dentes e assim comprovar o que extra-oficialmente já se sabia: havia uma cooperação sinistra entre os governos ditatoriais do Cone Sul.

É esperar para ver.

8 Comments:

At 2:38 AM, Blogger pituco said...

joyce,

tenho vergonha de mim mesmo, por essas passagens históricas, na américa latina e no mundo...terrível a nossa capacidade de conceber o poder...

abrsons

 
At 10:19 AM, Blogger joyce said...

Pituco, a vergonha não é nossa: é deles. Nós estamos fazendo música e ajudando a limpar o círculo vibratório do país e do planeta.

 
At 3:46 PM, Anonymous Baptistão said...

Que história sinistra, Joyce. Assim como Manuel Fiel Filho, mais um inocente que estava no lugar errado, na hora errada e, sobretudo, na época errada. Tenório, pelo jeito, foi vítima da operação Condor, acordo de ajuda recíproca entre os canalhas sul-americanos. Imagino o desespero de vocês, amigos e colegas, e da família. Que venham mesmo documentários e comissões da verdade. E agora você me deixou muito curioso sobre a atuação do Rodrigo no filme Os Desafinados. Não sabia que um dos personagens era inspirado no Tenório. Vou procurar assistir.

 
At 7:52 PM, Anonymous Aleksander/PL said...

Horrible story.
In my country more than hundred persons
died during 1981-89 for political reasons.

From now, the Tenorio's briliant version of the "Fim de Semana em Eldorado", which I enjoy quite often will definitely remind me of his sad story.

 
At 10:36 AM, Blogger Luiz Antonio said...

Joyce,
Como ja falei aqui, sou da geração nascida ás vésperas do golpe. Cresci sem saber do que ocorria, vivi o período que me cabia viver e fui ser pouco mais que adolescente nos anos oitenta. Só via a volta dos que se foram sem eu nem seuqre saber porque haviam partido.
Não sabia desse caso. Sei de outros mais notórios e de outros menos merecedores de notariedade como políticos que voltam ou mesmo militares que agora postulam indenizações milionarias pelo período de exílio ou algo assim.
O cinema do leste europeu, desde os tempos das ditaduras tem sido meu foco há algum tempo. Assisto a tudo que encontro e fico pasmo com algumas histórias. No entanto, me parece que aqui na América Latina a coisa foi bem pior e cruel.
Abraços e oremos sempre pela humanidade. Há que se melhorar ou pelo menos vibramos para combater a energia ruim "para que nossa emoção sobreviva".

 
At 1:08 PM, Anonymous Anônimo said...

Olá Joyce, de quem sou fã.

Segundo o relato do torturador argentino Vallejos, um diplomata sabia da prisão e do local onde se encontrava Tenório, tratava-se de “Marcos Cortes (Marcos HenriqueCamillo Cortes, Ministro-Conselheiro do Itamaraty em Buenos Aires entre 74 e 78, depois promovido a Ministro de Primeira Classe).
Este diplomata não foi o único a saber do caso, ainda segundo Vallejos, participaram da ação outros dois brasileiros que foram até Buenos Aires participar do interrogatório e das sessões de tortura: o major Souza Baptista Vieira e o capitão Visconti.

É uma história muito triste e revoltante.
por Alexandre Fiuza
Cascavel/ PR

 
At 12:46 AM, Blogger Bernardo Barroso Neto said...

È uma vergonha até hoje para o Brasil o caso do Tenório. Ele foi vitima da Operação Condor, onde países do mercosul cooperaram mutualmente para prender subversivos ou inocentes como Tenório. Tomara que com essa comissão da verdade se esclareça esse e outros casos absurdor.

 
At 10:41 AM, Blogger Paty said...

Bom dia Joyce,

Encontrei seu blog ao acaso enquanto fazia uma pesquisa sobre a Ana Maria (Nacinovic) e me deparei com o texto sobre o Tenório e, assim, como você e tantos outros espero que a verdade venha à tona porque a sociedade precisa ter o conhecimento do que houve, não só no Brasil como na América Latina num todo e digo porque acredito que a minha geração mereça saber sobre isso. Não vivi os anos de chumbo, nasci na época das Diretas e por isso espero que pôssamos conhecer esses fatos. Aliás, particularmente, achei o máximo você ter estudado com a Ana. Uma pessoa que estou descobrindo e admirando (não a figura da guerrilheira mas a pessoa digna que todos dizem que ela era.)

 

Postar um comentário

<< Home