segunda-feira, novembro 02, 2009

shirley horn


Existem os writer's writers, escritores que os outros escritores admiram, como Gay Talese (para o jornalismo) e Borges (para a ficção). Ou actor's actors, como recentemente são Meryl Streep, Fernanda Montenegro, Philip Seymour Hoffman. Existem os musician's musicians (sou casada com um), aqueles que são respeitados por seus pares e colegas de instrumento. Em matéria de cantoras, como singer's singer, acho que Shirley Horn é talvez a maior unanimidade que conheço. Meu CD Slow Music é dedicado a ela (e a Bill Evans e João Gilberto), mas não foi surpresa para mim quando vi que a mega-ultra-superstar Barbra Streisand tinha feito o mesmo em seu novo disco. E fez mais: regravou várias canções que nossa musa Shirley já eternizara anteriormente, e com a suprema ousadia de usar o mesmo arranjador, Johnny Mandel. Quem pode, pode, sem dúvida.

Divina (tão divina quanto Elizeth foi pra nós aqui no Brasil), La Horn não tem as firulas vocais de Ella Fitzgerald (que também adoro, quando está em seus momentos cancionistas; nos momentos de scat, acho um pouco excessiva), nem a extensão vocal de Sarah Vaughan (que às vezes é um fim em si mesma), nem a frieza de Carmen McRae ou as loucuras de Betty Carter - SH é emoção pura, conjugada a técnica perfeita. Ela é, aliás, uma falsa perfeita, como Elis também foi. E ainda toca aquele piano todo, e harmoniza as canções com propriedade absoluta. É senhora do tempo, dos silêncios, das pausas longuíssimas, mas tem um suingue infernal quando quer. A escolha de repertório é quase impecável. SH é tudo de bom.

(Estou falando dela no tempo presente, porque grandes músicos não morrem.)

No comecinho dos anos 1990, fomos colegas de gravadora, na americana Verve. Muitos anos depois, fui vê-la ao vivo pela primeira vez, quando veio ao Rio. Não era um bom momento. Ela já estava bastante doentinha, tivera um pé amputado, por complicações de diabetes, e não tocava mais piano, pois seu delicado trabalho de dinâmica dos pedais estava prejudicado com isso. Imagino sua aflição, ela que sempre fizera absoluta questão de ser a pianista de si mesma e sempre recusara as propostas para ser uma stand-up singer, ou seja, a cantora que se apresenta de pé no centro do palco, microfone na mão. O piano e ela eram uma unidade, assim como voz e violão têm sido para alguns de nós aqui na nossa MPB, a partir de João Gilberto. Sei perfeitamente, portanto, como ela se sentia quando disse que só gostava de cantar ouvindo os acordes que tinha imaginado, e por isso não podia dispensar o piano. Eu sinto exatamente a mesma coisa com relação ao meu violão.

Enfim, voltando aos anos 2000 e pouco, quando fui vê-la: era o famigerado Free Jazz Festival (que nossa filha mais nova, de humor especialmente ácido, tinha apelidado de "Jazz-Free Festival"). Os espetáculos estavam distribuídos por diversas tendas, uma para cada gênero, e nossa musa se apresentava no chamado 'club'. Só que bem ao lado estava a tenda do hip-hop, e o tratamento acústico não era dos melhores, para dizer o mínimo. O concerto de Shirley, com suas pausas e silêncios, seria enormemente prejudicado pela barulheira ao lado, fazendo com que ela parasse o show na metade, por não conseguir seguir em frente com sua música. 

Foi um dos momentos em que tive mais vergonha de nossa brasileiríssima falta de cuidado, embora esse tipo de coisa até possa acontecer em outros locais também. Mas a diva estava lá, em cadeira de rodas, pronta para oferecer o seu melhor, embora apenas com a voz - o piano estava ocupado por outro músico, já que ela não podia mais tocar. Mas isso já era muito. Não custava nada o pessoal da organização ter programado horários diferentes para os diferentes espetáculos. Teria sido mais respeitoso.

Fui falar com ela no camarim, depois do show. Ela se lembrava de mim e foi gentil, dentro do possível naquelas circunstancias. Sua produtora, Sheila Mathis, uma boa amiga dos velhos tempos da Verve, me ajudou a sair dali antes que sua patroa desse uma solene bronca nos organizadores do festival. Seria a última chance para nós, seus fãs, de tê-la ao vivo, pois a Divina iria falecer logo em seguida.

Tudo isso me veio à lembrança enquanto ouvia Barbra cantar 'Here's To Life', a canção-assinatura de Shirley, com um arranjo do Johnny, quase igual-que-nem o original. Corajosa, essa dona Streisand. 

PS- Perdão, tomei como certo que todo o mundo que lê meu blog tenha lido meu livro também. Nele há um capítulo chamado 'Perfeição' onde eu, meio de brincadeira, divido os criadores em perfeitos e imperfeitos. Cito a mim mesma aqui: "o imperfeito é possuído pela paixão, o perfeito a possui". Então, por exemplo, Pelé é perfeito e Garrincha imperfeito, Renoir é perfeito e Van Gogh imperfeito, e por aí vai. Todos geniais, de qualquer modo. Os falsos perfeitos parecem perfeitos, mas não são: já chegaram a tal domínio da sua arte que podem deixar a emoção fluir sem risco. É o caso de Shirley... e de Elis.

9 Comments:

At 10:46 PM, Blogger JoFlavio said...

J,
Tinha 13 anos e andei algumas léguas para comprar um disco da Ella, “Clap Hands Here Comes Charlie”. Morava em Brasília na época. Meus amigos me achavam pirado por gostar daquele tipo de música. Furei o LP de tanto ouvir. Mas arranquei um comentário da minha mãe: “Que voz linda tem essa mulher!” E até hoje considero a voz da chamada “primeira dama do jazz” uma das mais bonitas. Verdade, me impressionava também com a extensão vocal da “divina” Sarah. Mas na minha praia as que mais me tocaram, pela criatividade, foram Carmen McRae e Shirley Horn, principalmente num clima de slow music. As duas eram insuperáveis no tratamento do silêncio, das pausas, das divisões inesperadas. Carmen também era pianista, mas não do porte da Shirley, que inclusive tinha uma concepção harmônica muito peculiar e saborosa. Por isso, o depoimento da Carmen sobre a Shirley é, na minha opinião, o mais legítimo entre os americanos. Segundo Mrs. McRae, nunca houve na história do jazz uma cantora que se acompanhasse ao piano em baladas, do tipo quase parando, como Mrs. Horn. Shirley Horn era mais que emoção. Era paixão.

PS. Sobre o novo e bom CD da Barbra com o Mandel e boa parte do repertório de “Here’s To Life” da Shirley, lembro que Rosa Passos fez a mesma coisa com João Gilberto no CD chamado “Amorosa”. O repertório usou muitas músicas do então LP “Amoroso”(1977)do João. E os arranjos foram bem semelhantes, embora assinados pelo argentino Jorge Calandrelli em vez de Claus Ogerman. Aliás, o Mandel faz aniversário no dia 23 (84) e continua o craque de sempre.

 
At 5:39 PM, Blogger Paul Brasil (Paul Constantinides) said...

joyce q depoimento bonito do seu amor a esta cantora realmente sensacional.
agora, desculpe me a ignorancia...qdo vc cita que ela eh "falsa perfeita" como a Elis..eu gostaria de entender o q isto significa...
meu interesse decorrre do fato de ao pesquisar a discografia de Elis, constatei q antes de vir ao Rio, seus primeiros discos, trazem um registro vocal muito diferente dos que ela veio a usar depois dos Upa Neguinhos da vida..digamos assim...antes era uma voz mais suave e , talvez, sem tanto personalismo..
sera q fui claro?
anywyas...esta ai.
abs
paul

 
At 10:56 AM, Anonymous Myriam Vilas Boas said...

"Existem os musician's musicians (sou casada com um), aqueles que são respeitados por seus pares e colegas de instrumento".
Isso me lembra alguém (rs...). Saudades, querida. bjos, Miroca

 
At 1:44 PM, Blogger joyce said...

Miroca, você também tem um desses em casa! Sorte a nossa...
bjs

 
At 2:22 AM, Blogger pituco said...

joyce,

uau...shirley horn é audição imprescendível aos ouvidos humanos...há uma versão de 'estate'(versão inglês)piramidal.

abraçsons desse lado do planeta

 
At 5:37 PM, Blogger JoFlavio said...

Mr. Pituco
Já faz tempo. Eu conversava com o Danilo (Caymmi) sobre música, claro, aqui mesmo em Londrina. O assunto era arranjadores. Foi quando ele falou do Claus Ogerman no disco Amoroso do João Gilberto. Mais especificamente sobre a faixa Estate (Bruno Martino & Bruno Briguetti). Que era uma obra-prima e coisa e tal... Aí eu desafiei o Danilo. Tinha acabado de comprar "Here's To Life" da Shirley Horn, arranjos do Mandel, e que também tinha uma versão de "Estate". E que o arranjo do Mandel era ainda melhor. Ele duvidou. Gravei, na época, um K7 prá ele. Semanas depois, Danilo me ligou, reconhecendo que eu estava certo (risos). E que o irmão Dori tinha ficado "arrasado" com o trabalho do Mandel naquele disco.
Pois é.

 
At 2:00 PM, Anonymous Odimar Feitosa said...

Além de Shirley Horn, o jazz me trouxe grande admiração por aquela que seria uma grande influenciadora da Bossa Nova - Julie London - que, mesmo sem ter a voz melodiosa, a divisão e a velocidade do canto de Ella, ou a amplitude do canto de Sarah, sabia tirar proveito, como poucas, dos limites de sua voz traduzindo suas interpretações em charme e estilo próprio (o que muitas musas da Bossa Nova compreenderam e assimilaram bem). "Cool" e sofisticados são os discos de Julie... Sempre a lembro cantando "A cottage for sale" ou do disco em que interpretou Cole Porter com uma nobreza ímpar!
Joyce, seu disco Slow Music ficou muito bom... realmente se percebe ali que sua alusão e dedicatória Shirley era mais que justa; por outro lado me remeteu inconscientemente a Elizeth, mas principalmente a duas músicas arrebatadoras do repertório da Nana Caymmi: Medo de amar e O amor é chama. Depois percebi que não fui remetido tão inconsientemente, Nana e César Camargo Mariano fizeram juntos um dos discos mais belos da nossa MPB que explora com delicadeza, justamente as pausas, os silêncios, um primor... Não sei até que ponto este te influenciou em Slow Music, mas não podia deixar de comentar que percebi certa semelhança!

Abraços!!!

Odimar Feitosa.

 
At 10:44 PM, Blogger Mara Milani said...

Joyce , acompanho seu blog desde a metade do ano. Muito legal, adorei. Estou aqui em casa, escutando Shirley Horn, RETURN TO PARADISE !!!! Sensacional !!!! E aí lembrei das minhas preferidas singers................. Beijos.

 
At 9:41 AM, Blogger joyce said...

Mara, sumida, cadê você??? Saudades! Manda um email de contato pra gente se falar. Prometo que não publico.
Bjs
J

 

Postar um comentário

<< Home