domingo, novembro 08, 2009

saias, pernas e afins

Não era minha intenção, mas não posso deixar de comentar o impressionante desfecho do caso da moça de São Bernardo do Campo, que foi às aulas na Uni(tali)ban de mini-vestido rosa shocking, e por isso sofreu constrangimentos, ameaças de estupro coletivo, xingamentos diversos e por pouco não foi devidamente apedrejada pelos gentis colegas, cerca de 700 rapazes nervosos com a presença de um par de pernas de fora no sacrossanto recinto da universidade. Foi salva pela PM, que providencialmente se apresentou para resgatá-la. 

Como carioca da gema, e ainda por cima da geração anos 60/70, não consigo entender qual a dificuldade destes jovens com a visão de partes de um corpo feminino. Certamente a mesma lá do Afeganistão e de outras localidades igualmente pudicas. Considero, com toda certeza, que a estética da moda feminina atual é de extremo mau gosto. As meninas brasileiras e americanas do norte das novas gerações têm optado por modelitos mais para o vulgar, na minha modesta opinião - nos Estados Unidos, as estrelas pop usam cada um de arrepiar, e por aqui o que as meninas têm como modelo são as BBBs da vida. Isso não me impede de considerar que cada pessoa veste o que lhe der na telha, e ninguém tem nada com isso.

Hoje leio nos jornais que a universidade finalmente tomou uma providencia: expulsou a moça, por "falta de decoro". Os 700 marmanjos que pretendiam agredí-la foram poupados. Sugiro às alunas desta nobre instituição que preparem as burcas para o próximo ano letivo.

PS- lendo alguns comentários de leitores, lembrei da primeira visita do nosso genro sueco ao Rio, em 2004. Na Europa o topless nas praias - e às vezes mesmo nos parques, no alto verão (caso dos países escandinavos) - é totalmente normal. Nosso visitante, garoto de Estocolmo, não entendeu nada quando percebeu que por aqui todo o mundo fica nu no Carnaval, ao vivo e a cores na TV - mas na praia, qualquer tímida tentativa de topless é muito mal recebida. Pois é, vai entender...


15 Comments:

At 6:13 PM, Blogger rogerio santos said...

Uni(tali)ban foi perfeito para definir a instituição. O que será que os dirigentes pensaram?

É melhor encarar logo o processo por danos morais sair das mídias?

Acho que foi mais ou menos por ai.
Atitude covarde de uma instituição covarde.

E como mídia é mídia e notícia é venda, logo, logo a moça estará sendo assediada, não mais pelos colegas, mas pelas revistas masculinas, que negociarão não mais com ela, mas com seus empresários.

 
At 7:49 PM, Anonymous Myriam Vilas Boas said...

Estou estarrecida com a expulsão da moça. E o pior de tudo: isso aconteceu numa universidade. Será que são esses os cérebros que farão este país? Desculpe o desabafo, Joyce. bjos.

 
At 10:25 PM, Blogger Cecília Freitas said...

Até onde vai a hipocrisia vergonhosa da nossa sociedade, meu Deus? Certamente, entre esses 700 irracionais, pelo menos 699 deles ajudam a banalizar a exposição do corpo feminino e são os principais comsumidores da imagem sexual da mulher, vendida a qualquer hora pela mídia, todos os dias... se a moça em vez de estar na universidade estivesse em algum programa ridículo de televisão (de humor, preferencialmente) praticamente nua e falando besteira, seria normal. Fico perplexa, por exemplo, ao ver uma menina (com um biquíni minúsculo) ser reduzida num programa de TV à condição de uma "samambaia", quer dizer, não serve para nada, com nada contribui; ficar paradinha, caladinha e exposta é o suficiente, por ser apenas um corpo. A repercussão disso é que ajuda a construir uma imagem da mulher como objeto, e não UMA pessoa em UMA cidade, vestindo UM certo modelo mais ousado. E talvez essa estudante seja apenas mais um reflexo dessa banalização.

 
At 8:37 AM, Anonymous Túlio said...

isto é um aviso pras moçoilas: cuidado com o que vocês usam, pois pode sempre ter um troglodita por perto, as vezes mais de um em lugares insuspeitos.
quando coisas assim acontecem, ainda mais numa universidade é que eu sinto que a humanidade invés de evoluir, está parada no tempo, ou pior andando para trás.

 
At 8:54 AM, Blogger Maysa said...

Cara Joyce

Cariocas da gema somos poucas.
Mas, que diferença fará nossa estética,que por supuesto, não agride? Encanta!
É assustador o que aconteceu naquela Universidade. A decisão de sua Direção.
Nós,nossas filhas estaremos com burca e amedrontadas enquanto tal comportamento permanecer .
Um abraço saudosista da alegria dos anos 60 e 70, no que se refere à moda e comportamento jovem!

Bem , porque a intolerância daquela época, aqui, era tão doente quanto essa dos 700 jovens.

Abc

Maysa

 
At 10:08 AM, Blogger Paul Brasil (Paul Constantinides) said...

porque parte tao bela do corpo, as pernas..aquelas que o Mario de Andrade falou...vejo tantas/brancas, pretas,amarelas....
causam tanta polemica?
ainda mais no Brasil?
q pena!

abs
paul

 
At 11:31 AM, Blogger Paul Brasil (Paul Constantinides) said...

hum..my bad!!! erro matinal..Drummond de Andrade, risos, nao Mario de Andrade...bem, estava preparando o cafeh qdo postei o comentahrio..serve como desculpa?
kkk
abs
paul

 
At 2:40 PM, Blogger JoFlavio said...

J,

“A vizinha quando passa
Com seu vestido grená
Todo mundo diz que é boa
Mas como a vizinha não há
Ela mexe co'as cadeiras pra cá.
Ela mexe co'as cadeiras pra lá.
Ele mexe com o juízo
Do homem que vai trabalhar
Há um bocado de gente
Na mesma situação
Todo mundo gosta dela
Na mesma doce ilusão
A vizinha quando passa
Que não liga pra ninguém
Todo mundo fica louco
E o seu vizinho também
A vizinha quando passa
Com seu vestido grená
Todo mundo diz que é boa
Mas como a vizinha não há
Ela mexe co'as cadeiras pra cá.
Ela mexe co'as cadeiras pra lá.
Ele mexe com o juízo
Do homem que vai trabalhar”

(A Vizinha do Lado, de Dorival Caymmi, lançamento de 1955, no LP Sambas de Caymmi, Odeon)

 
At 4:15 PM, Blogger Cristiane Figueirêdo said...

Num país em que tem gente semi-nua o tempo td em td lugar, os homens ficam assim tão enlouquecidos diante de um vestido.

Raios ! O Brasil tá ferrado com essa juventude careta !

 
At 4:16 PM, Blogger Cristiane Figueirêdo said...

Nem ela esperava que fosse chamar tanta atenção...

 
At 12:02 AM, Blogger Luiz Antonio said...

Sinto muito, por enquanto só posso dizer que os "caras" são uns bobocas, acabaram formando uma platéia e ela, por mais razão e indignação que tivesse, não deixou de dar o show para aquela turminha saída de algo tipo "Porkis 1, 2, 3..." da minha geração ou "American Pie" para os mais novos. Sem comentários. Quanto a aluna, prefiro me manifestar daqui ha seis meses, se ela tiver resistido a pelo menos seis investidas da Playboy (meio cafajeste, mas its BBBrazil)

 
At 11:49 AM, Blogger Rafaela Figueiredo said...

acho q nem os antropológos, psicanalistas e psicólogs entendem o ser humano.
o triste é q vai tudo de mal a pior...

deixo um convite sobre o assunto: http://fernandochui.blogspot.com/

beso

 
At 2:38 PM, Blogger Luiz Antonio said...

"FONTE BOL: 12/11/2009 - 14h03
Após ser expulsa de faculdade, Geisy leva vida de celebridade
Cinco dias após ser expulsa da Uniban, onde foi hostilizada por usar um vestido curto, a estudante Geisy Arruda, 20, já vive seus dias de celebridade.
Disputada a tapa por programas de TV, em três semanas Geisy já ganhou uma música em ritmo de axé, despertou interesse da "Playboy" e até divulga fotos da sua "mudança" no visual: ela agora está mais loira.

O antes e depois da estudante Geisy Arruda, expulsa da Uniban após ser hostilizada por usar um vestido curto

Ontem, a estudante alongou e tingiu seus cabelos com o cabeleireiro Julinho do Carmo, outro ávido candidato ao mundo da fama, e repórter do "A Tarde É Sua" (Rede TV!).

Em um e-mail divulgado a imprensa, Julinho descreveu o tratamento capilar ao qual a estudante se submeteu.

"Foi realizado uma tintura para uniformização do tom, hidratação de
queratina à base de algas marinhas, a colocação de um alongamento de 70cm
com cabelos naturais com mechas ultra-claros (sic) vindo especialmente da cidade
de Berlim."

A mensagem ainda diz que Julinho convidou Geisy para mudar de visual por "achá-la bonita, charmosa e com um rosto sexy".

Durante a transformação, Geisy posou, aparentemente, com o mesmo vestido que usava quando foi agredida na Uniban, a 159ª colocada entre 175 universidades avaliadas no país"

LEMBRAM O QUE DISSE O TUTTY, NO CASO DOS VINIS? "Não! Nós não somos como eles...."
pois é, que apressão viria SOBRE A MENINA DISSO NINGUÉM DUVIDARIA, o desejo...mas quem não é....NÃO É!

 
At 11:10 AM, Blogger rogerio santos said...

Vixe... a moça está em todos os programas duvidosos da TV (será que tem algum que não seja?) e já foi convidada pra sair em revistas masculinas e, segundo o porta Terra, para fazer um filme erótico...

A esculhambação vai no ritmo da globalização...

Que coisa !!

 
At 12:06 AM, Anonymous Anônimo said...

Difícil crer que o motivo foram as pernas da mulher (aliás nem tão interessantes).
Há muito isto foi superado (como dizes nos 60).
Não temos um perfil moralista, haja vista transmissões de TV no carnaval, novelas etc.
Se fosse em algum país muçulmano ou em alguma universidade inglesa ou em algum estado norte-americano como o que vivem os amish tudo bem.
Mas não aqui.
Por isto acho que a verdadeira história e as indagações a serem feitas, acabaram por dar lugar a medíocre conclusão de ser atitude machista, conservadora ...

 

Postar um comentário

<< Home